À noite
balança o vento
o lençol lavado do sal.
Marcas que outrora
no tecido estiveram.
Livres
flutuam acima do alcançável, revelando a poesia rabiscada.

Corpos feito nuvem
transportada pelo céu de Ícaro.
O vapor dos anos

no etéreo vive.


%d bloggers gostam disto: